Com pouco espaço para erros, a pressão por resultados e a necessidade de implantar a cultura da inovação, como fica o executivo nesse processo?

Inovação: essa é a palavra da vez, que tem norteado ações, projetos e iniciativas de empresas em todo o Brasil. Afinal, em mercados cada vez mais tecnológicos e competitivos, ela deixou de ser um luxo para se tornar uma necessidade para os empresários e empreendedores e, até mesmo, um fator decisivo para a própria sobrevivência dos negócios.

Um estudo da empresa Accenture realizado em 2018 com 148 executivos da América Latina mostrou que, para 60% deles, seus negócios podem desaparecer se não forem feitos investimentos em novas tecnologias e inovação. Já a Confederação Nacional da Indústria apontou que, para 31% dos empresários, o grau de inovação da indústria deverá ser alto ou muito alto nos próximos cinco anos, especialmente por necessidade.

Em meio a essa necessidade, as companhias enfrentam um cenário de crescente instabilidade, decorrente de fatores políticos e econômicos que impedem a retomada do crescimento e a realização de novos investimentos estrangeiros. Com pouco espaço para erros, a pressão por resultados e a necessidade de implantar a cultura da inovação, como fica o executivo nesse processo?

Neste momento crucial, muitos executivos passam a se sentir inseguros. Eles sabem da importância dos projetos inovadores, mas também entendem que há riscos, especialmente com grandes quantias financeiras envolvidas no processo. Mas, com alguns cuidados essenciais, é possível se proteger dessas dificuldades e investir com segurança.

 

 

Primeiramente, ele precisa estar bem assessorado e preparado para conseguir colocar em prática o que planeja. O executivo deve envolver uma equipe capaz de se engajar no projeto e de buscar um objetivo comum além de conquistar o respaldo da diretoria.

Com uma equipe alinhada, é preciso estabelecer prazos e metas para que a gestão de projetos aconteça de maneira ágil e eficiente. Nesse sentido, é essencial realizar uma gestão de projetos com controle de metas, reports e acompanhamento dos trabalhos realizados. É isso que impedirá os desvios de rumo nos objetivos iniciais.

E, claro, contar com as ferramentas e tecnologias certas para impulsionar o negócio de maneira ágil também possibilita reduzir as incertezas e validar uma determinada solução. Para isso, pode ser muito válido contar com produtos e serviços complementares de parceiros que detêm a experiência para suportar a execução deste desafio, afinal isso implica em pessoas e mudanças.

Afinal, hoje a economia é feita de forma colaborativa. Nenhuma empresa consegue evoluir sozinha. Por falar evolução não há como não tratá-la como um projeto. Modelos como os de startups são fonte de referência para produzir de maneira ágil possibilitando ajustes necessários ao longo do trajeto de modo a assegurar o cumprimento dos objetivos, alavancando mudanças. A dinâmica do mercado atual é constante, então não dá para ficar travado pelo medo de errar ou perder muito tempo com longos e exaustivos planejamentos.

É possível mudar com segurança? Sem dúvida! Com bons parceiros é possível neutralizar as incertezas e ter mais propriedade para decidir por reagir optando em investir em inovação e alcançando resultados efetivos.

Fonte: https://administradores.com.br

Gestão contábil: tire dúvidas quanto ao crescimento da sua empresa

Você respondeu uma série de perguntas, dentro de uma gama de possibilidades colocadas a mesa dentro de um conceito de gerenciamento contábil relacionado ao crescimento da sua empresa. Mas, independentemente disso, sabemos que ainda resta uma série de dúvidas.

Pensando nisso, esse artigo foi escrito para falar sobre esses riscos que todo o empresário tem mediante ao  crescimento do seu negócio.

Muitas vezes o pensamento de que “menos é mais” seja importante para a retração, que significa o passo para trás para dar dois para frente.

Um “boom” muito rápido da sua empresa pode ocasionar erros irreparáveis no futuro do seu negócio.

Por isso mesmo, para ter esse bom controle de saber como expandir sem queimar etapas, que a gestão contábil faz-se de tamanha importância no gerenciamento da sua empresa e no passo a passo do seu crescimento e das suas fases.Crescimento num todo

Devido aos conceitos sociais, a sua empresa vai precisar trabalhar com a visão pública das pessoas. E quando incluímos pessoas, seja como parceiras de produção ou mesmo como clientes, falamos sobre crescimento em conjunto.

É nesse momento que parte-se o crescimento como um todo, dentro do fator influência da empresa para com o público. E para fazer toda essa organização, cabe a gestão contábil controlar os fatores públicos de influência da sua empresa no mercado geral.

Seja bem seletivo em saber quem serão os seus parceiros e o que você pretenderá influenciar no mercado. Embora a gestão contábil seja importante, essa decisão parte por você ter organizado os fatores de influência da sua empresa, coordenando por departamentos que falem a mesma língua em tudo.

A partir daí cabe a você, empresário, em conjunto com os dados fornecidos pelas observações da gestão contábil, organizar lideranças e ter em mãos todo o organograma responsável pelo desenvolvimento metódico de todos os processos da empresa, com todos os departamentos falando a mesma língua em todas as ações.

Nesse processo, a mentoria empresarial faz-se muito importante.Acompanhamento

A tempestade de perguntas para destrinchar as principais características e forma que a sua empresa deve trabalhar, de forma honesta e transparente.

Esse acompanhamento pode colocar vários poréns na mente do empresário, ou até mesmo fazer com que a empresa mude a sua rota de mercado.

A entrevista permite a criação de uma identidade jurídica prática da empresa e a ideia de quais seriam as melhores parcerias que poderiam ser firmadas com essa empresa, que seria interessante dentro de uma via de mão dupla.

Por fim, a relação com o poder, dentro dos aspectos de liderança em potencial da parceria também são trabalhado dentro desse contexto de montagem estratégica que potencializa as ações desenvolvidas em cada parte da parceria e é de fundamental importância para o descobrimento da identidade da empresa, bem como o que ela pode fazer para crescer a cada dia.Por fim…

Quando você apoiar a sua empresa no processo de parceria de consultoria e análise empresarial, algo que você irá praticar com maior frequência é a autocrítica.

É bom que você esteja constantemente se questionando e sendo questionado para refletir sobre o segmento do seu negócio.

Você precisa conduzir o seu negócio dentro de fatores estratégicos e sem apego emocional. Você ser proprietário não te dá o direito de mandar e desmandar gratuitamente, se você quiser que a sua empresa.

Muitas vezes temos que engolir seco o orgulho e reconhecer que há coisas dentro da nossa empresa que, mesmo sendo nossa, não cabe a nós.

Com isso, deixe com que a gestão de negócios da sua empresa esteja livre para trabalhar e dê flexibilidade para que ele cultive mais preocupações técnicas, dando dicas, impondo limites e sendo parte integrante do projeto.

Como o MEI deve calcular seu faturamento?

Para quem está começando a empreender acaba tendo dificuldade para separar o que é lucro e faturamento. Para exemplificar: lucro é o que você ganha após descontar todos os custos e despesas. Já o faturamento é tudo o que você recebe independente dos gastos, ou seja, o bruto.

Em nosso texto, vamos explicar só que é o faturamento e explicar o que o MEI precisa fazer para não ter problemas na hora de declarar o Imposto de Renda.

Se o Microempreendedor Individual pretende manter-se sob este regime, seu faturamento anual não pode ultrapassar os R$ 81 mil reais. O que confunde o empreendedor é que este valor deve ser calculado proporcionalmente ao tempo de formalização.

Faturamento na Prática

O primeiro ponto a ser entendido é que o valor do limite indicado aos MEI’s é o total de tudo que você recebeu durante todo o ano. Ou seja, não deve-se subtrair nenhuma despesa deste valor. Um exemplo: vamos supor que no mês de outubro, você faturou R$ 3 mil reais, mas teve despesas de R$ 4 mil reais. O resultado final é que você teve um prejuízo de R$ 1 mil reais, porém seu faturamento continuou sendo de R$ 3 mil.

Agora, se você recebeu um valor de R$ 5 mil reais e teve uma despesa de R$ 2 mil, seu lucro foi de R$ 3 mil, mas seu faturamento continua sendo de R$5 mil.

O limite de faturamento para este ano é de R$ 81 mil e este valor deve ser dividido em 12 meses. Em resumo: quem se formalizar em janeiro poderá ter este faturamento total. Nos demais casos, o faturamento é contado proporcionalmente de acordo com o número de meses trabalhados.

Contando o faturamento do MEI

Para saber o valor mensal é muito simples: divida os R$ 81mil por doze meses e você terá o valor de R$ 6750 por mês. Resumindo: se você trabalhou como MEI por seis meses, saiba que seu faturamento deve ser até seis vezes este valor.

O que acontece se o valor ultrapassar os R$ 81mil?

Existem duas opções:

A primeira é que se o seu faturamento ultrapassou o valor limite, mas não mais que 20% (R$ 97200), você poderá manter-se como MEI até o fim do ano vigente, porém deverá pagar uma DAS complementar. Após o fim do ano você será desenquadrado deste regime.

No segundo caso, ultrapassando o valor e também os 20% de tolerância, o MEI é obrigado a pedir imediatamente o desenquadramento desta categoria através do Portal do MEI.

Em resumo, se você ultrapassou o valor de limite é um ótimo sinal, pois significa que sua empresa está crescendo.

Como abrir uma hamburgueria artesanal

Abrir uma hamburgueria artesanal pode ser uma ótima opção para quem quer ser dono do seu próprio negócio. Muitas empresas deste segmento tem conseguido ótimos resultados, pois é uma área em expansão.

Mas para conseguir obter sucesso, é preciso ficar atento às oportunidades e principalmente evitar erros que podem atrapalhar nessa nova empreitada. Neste artigo, vamos dar algumas dicas essenciais para quem quer se arriscar e abrir uma hamburgueria. Veja:

-Defina seu modelo de negócios

Após escolher seu ponto comercial, você precisará definir como será o seu modelo de negócios, pois cada um tem uma maneira diferente de se administrar. Decida se seu empreendimento será um restaurante tradicional, um fast food, um delivery ou até mesmo um food truck.

– Ponto Comercial

Encontre um ponto estratégico e com um bom fluxo de pessoas. Fique atento aos horários em que a passagem de pessoas pelo local é maior, pois isso vai te ajudar na hora de montar sua estratégia de venda. Além disso, pense no espaço interno que você precisará, pois normalmente os restaurantes utilizam 40% de seu espaço para a cozinha e os 60% restantes para área de atendimento aos clientes.

– Identifique seu público

Este item se comporta da mesma maneira que a escolha do ponto onde abrirá seu negócio. O público é de extrema importância para o sucesso da sua empresa. Se achar necessário, limite seu público-alvo até obter mais confiança a fim de expandir seu empreendimento.

– Analise a sua concorrência

Acompanhe outras hamburguerias e fique por dentro sobre os produtos oferecidos e o que é mais vendido em cada um. Assim ficará mais fácil na hora de criar o seu cardápio. Identifique também em quais setores o seu concorrente se destaca e em qual falha e tente tomar isto como uma lição.

 – Licenças 

Este é um dos passos mais importantes e vai depender da cidade onde seu negócio será aberto. Mas de qualquer maneira, é preciso saber exatamente quais as licenças e alvarás serão necessários para abrir uma empresa neste ramo. Esteja com toda documentação em ordem e evite transtornos futuros.

Startup: o que é e como iniciar nesse modelo de negócio

Muito tem se ouvido falar a respeito das Startups, mas nem todo mundo sabe muito bem do que se trata e para que serve. Trata-se de um modelo de negócios que possui um crescimento rápido e buscar sanar as dores e resolver os problemas de seus clientes. Mas não basta ter uma ideia brilhante e pronto. Seu produto e/ou serviço deve ter uma base sólida.

Neste percurso vão surgir alguns problemas de gestão, seja no administrativo ou em qualquer outro aspecto, mas saiba que isso é normal. Saiba que para que seu negócio dê certo, será necessário muito trabalho e muita dedicação. Em alguns casos é possível que o sucesso venha de maneira rápida, porém é preciso ter muita disciplina e estudo de caso.

Como começar?

Uma das vantagens deste modelo de negócios é que os valores para investimento inicial tem caído progressivamente. Em resumo, procure planejar e identificar o quanto você vai precisar investir para começar o seu negócio.

O segundo passo é buscar conhecimento em empreendedorismo, marketing, gestão e vendas, pois cada um desses itens irá te ajudar em um aspecto diferente da sua empresa.

Você está preparado para ser um empreendedor?

Não pense que ao se tornar um empreendedor, você, automaticamente, trabalhará menos, muito pelo contrário. Quando você se torna dono do seu próprio negócio, passa a trabalhar muito mais, pois só depende de si mesmo.

A diferença mais visíviel entre empreender e ter um emprego formal é que você não terá a segurança de uma salário fixo. Outro ponto é que sua dedicação deverá ser praticamente exclusiva ao negócio se quiser ter resultados, afinal, nem sempre o retorno do investimento é rápido.

Marketing e Vendas

Invista em Marketing, pois mesmo que sua ideia seja brilhante, ela não se venderá sozinha. Mesmo que você consiga que ela viralize, saiba que será por pouco tempo e não terá bases sólidas para manter-se assim.

Contrate ferramentas para te ajudar com isso e se possível tenha uma profissional voltado só pra isso. Caso não seja possível, procure as informações necessárias e o que você pode fazer neste quesito. O Marketing vai te ajudar a atrair mais clientes.

Defina seu público

Outro ponto importante é o seu público-alvo. Faça um levantamento de idade, sexo, profissão e o que mais conseguir filtrar. Através desse estudo, você conseguirá guiar o seu negócio de maneira mais eficaz e mirar no publico que quer atingir. Com isso, poderá também, conseguir feedback através de pesquisa de satisfação e a partir daí ter a base necessária para saber se seu produto/serviço será bem aceito de maneira geral.